google-site-verification=RtHklfAxPvk6Cm0IhqsV9wh8aLf8SITxX2TPRqjntIY Rotina diária em contexto de quarentena

Rotina diária em contexto de quarentena

Atualizado: Mai 9

O mundo inteiro entrou em confinamento devido ao COVID-19, e este contexto gerou diversas consequências que afetam diretamente o cotidiano de famílias com crianças com autismo. Considerando esse quadro atual, como seria possível manter uma rotina saudável, tendo em vista que tudo mudou? Diversas famílias possuem dicas que podem ser úteis para outros contextos familiares que se encontram na mesma situação.

Conversamos com Carla, mãe de dois meninos com autismo, com idades de 6 e 13 anos, ela relata como está vivendo esse momento. Leia o depoimento abaixo.

Bom, quando a quarentena iniciou fazia em torno de 20 dias que havíamos voltado das férias. Pode parecer pouco tempo, mas foi tempo o suficiente para que os meninos se acostumassem com a nova rotina. Rafa com suas terapias e Vini com as terapias e a escola nova.

Para o Vini, a primeira semana foi a mais complicada, não conseguia absorver as informações, foram dias de choro constante, e inúmeras vezes durante o dia queria saber que hora iríamos sair para a escola e as terapias, pois ele sabe de cor os dias e os horários. Até que uma mãe postou um vídeo no grupo do WhatsApp, de como explicar a atual situação para as crianças. Assistimos algumas vezes, e eis que numa dessas vezes, assistindo o vídeo no YouTube, apareceu um link do episódio do Show da Luna (desenho infantil), que também falava sobre o vírus. Esse foi o divisor de águas, a partir dali Vini começou a assimilar e deste modo, eu pude envolver ele em outras atividades.

Como ele está no primeiro ano, estou fazendo desenhos para ele pintar, tenho deixado ele recortar e fazer colagens, estou tentando fazer brincadeiras lúdicas, estou ensinando a jogar dominó, quebra cabeça, brincamos de casinha, além de assistir outro desenho que ele ama, o Patrulha Canina, ele ama ser o Cheise e eu já não aguento mais fazer o papel da Sky. Ele ama também o tablete, estou tentando deixa-lo mais independente, está tomando banho sozinho, arrumando a cama, quando faço algum doce, ele costuma ficar sempre comigo, então, basicamente, deixo ele pôr “a mão na massa”.

Bom, quanto ao Rafa, a situação está um pouco mais complicada, devido ao Rafa ser autista severo não verbal, e com bastante limitações. Apesar de não falar, ele decora as coisas com muita facilidade, então, quando chega a hora que ele está acostumado a sair, ele fica bastante irritado, não quer sair da porta, principalmente nos dias que ele teria aula, ou seja, ele fica na porta esperando a van escolar chegar.

Ele sempre foi comilão, mas nesses dias a ansiedade dele está gritante, come o tempo inteiro, tenho tentado inserir ele nas brincadeiras, mas ele está bem resistente, a única coisa que consigo fazer com ele é dançar, e quando brincamos de esconde-esconde, o escondemos com um lençol ou manta e depois “o descobrimos”, ele gosta bastante, e estou evitando tirar eles de casa ao máximo, mas as vezes estamos tendo que colocar eles no carro para dar uma volta. Eu também coloquei o meu simulador de caminhada no quarto do Rafa, então quando ele fica muito estressado, eu o coloco ele para caminhar, fazer com que eles façam atividade física é muito bom.

Estou tentando manter as rotinas de casa ao máximo, como os horários de comer, dormir, brincar, enfim, assim tem sido nossos dias nessa quarentena.


Publicado por Ian Braga

Segue a gente:

Instagram: @_projetoautismo

Facebook: @projetoautismo

Imagem por https://www.scimed.pt/

50 visualizações