google-site-verification=RtHklfAxPvk6Cm0IhqsV9wh8aLf8SITxX2TPRqjntIY O que é Autismo?

O que é Autismo?

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é considerado uma síndrome que afeta o neurodesenvolvimento, sendo possível a identificação antes dos 3 anos de idade.

O Manual de Desenvolvimento de Transtornos Mentais (DSM-V), passou a agrupar além do autismo clássico, o Transtorno Desintegrativo da Infância, o Transtorno Invasivo do Desenvolvimento Não-Especificado e a Síndrome de Asperger, definindo assim as características essenciais do TEA como:

  • Prejuízo persistente na comunicação social recíproca e na interação social,

  • Padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses ou atividades.

Esses sintomas estão presentes desde o início da infância e limitam ou prejudicam o funcionamento diário.



A denominação de espectro refere-se às diversas variações na severidade das manifestações, como o autismo leve e grave.



Embora o autismo seja reconhecido pelo DSM desde 1980, apenas em 1993 foi adicionado a Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde.

O Centers for Disease Control and Prevention (CDC), atualizou os números de prevalência do Transtorno do Espectro Autista, os dados foram coletados em 2016 e divulgados em 2018.

Os números americanos variaram amplamente em diferentes locais de monitoramento, com números significativamente mais altos nos locais onde os pesquisadores tiveram acesso total aos registros escolares.



As principais conclusões do novo relatório

  • Nacionalmente, 1 em 59 crianças tinha um diagnóstico de transtorno do espectro do autismo (TEA) aos 8 anos de idade em 2014, caracterizando um aumento de 15% em relação a 2012;

  • A diferença de gênero no autismo diminuiu. Embora os meninos tenham uma probabilidade 4 vezes maior de serem diagnosticados do que as meninas, a diferença foi menor que em 2012, quando os meninos tiveram um diagnóstico 4,5 vezes mais frequente do que as meninas;

  • As crianças brancas eram ainda mais propensas ao diagnóstico de autismo do que as crianças minoritárias. No entanto, a diferença étnica diminuiu desde 2012, principalmente entre crianças negras e brancas. Isso parece refletir maior conscientização e triagem em comunidades minoritárias;

  • Em 2014, a maioria das crianças ainda estava sendo diagnosticada após os 4 anos de idade, embora o autismo possa ser diagnosticado com segurança desde os 2 anos de idade. O diagnóstico anterior é crucial porque a intervenção precoce oferece a melhor oportunidade para apoiar o desenvolvimento saudável e proporcionar benefícios ao longo da vida.

Fonte: O Centers for Disease Control and Prevention e Autism Speaks

Saiba mais sobre este assunto:

Autism Speaks;

O Centers for Disease Control and Prevention

Instituto Pensi

47 visualizações