Histórias sociais

Atualizado: Nov 8

Você conhece as histórias sociais (HS)?

Originalmente criada por Carol Grey em 1991, as histórias sociais podem ser utilizadas para ensinar comportamentos adequados as crianças no espectro autista.

Crianças com TEA podem ter dificuldades em entender o ambiente e realizar a leitura dos sinais sociais, desorganizando-se muitas vezes por não compreenderem o que irá acontecer. Assim, as HS descrevem situações sociais através de pistas relevantes, definindo respostas adequadas através de repetição.


Separamos alguns pontos importantes para te ajudar a criar uma HS.


1. Defina o objetivo da história (priorize histórias curtas)

  • Refere-se a um objetivo geral ou específico?

  • Linguagem clara e objetiva;


2. Fazer com que o personagem da história se pareça com a criança (irá facilitar a compreensão)

  • Utilize imagens coloridas ou fotos da própria criança;


3. Apresentar o que é esperado (descreva com clareza o que deverá ser realizado)

  • Não foque em atitudes que a criança não deverá realizar


4. Conte uma história social sobre um comportamento específico antes de pedir para a criança demonstrar esse comportamento.


5. Substitua a história quando a criança entender o conceito transmitido.

  • Crie histórias diferentes para diversos objetivos.


Nossa equipe desenvolveu um exemplo, assim você pode adaptar o conteúdo conforme suas necessidades.

Vêm conhecer o Joaquim e conferir como ele enfrenta situações estressantes durante período escolar.



Você também poderá criar uma HS através do site: https://www.storyboardthat.com/pt. O site é gratuito e você consegue gerar histórias com movimentos, basta criar um cadastro.


Segue a gente nas redes sociais:

Instagram: @_projetoautismo

Facebook: @projetoautismo

125 visualizações
 

Projeto

Autismo & Inclusão

O projeto possui foco na promoção de subsídios teórico-práticos para a atuação do professor junto a alunos com autismo. Além disso, estão sendo ofertadas, neste contexto de pandemia, orientações para as famílias lidarem com essa situação diante das demandas específicas do quadro do autismo.

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter